A economia dos 13 países que compõem a zona do euro cresceu 0,9% no último trimestre de 2006, em relação ao terceiro trimestre daquele ano. Se comparado ao mesmo período de 2005, o Produto Interno Bruto (PIB) da região teve expansão de 3,3%, de acordo com a revisão final da Eurostat, a agência de estatística da União Européia. Os dados revisados confirmaram as expectativas e não foram alterados em relação à estimativa anterior.

A Eurostat revisou para cima o crescimento do terceiro trimestre ante o segundo, de 0,5% para 0,6%. Já o cálculo do crescimento do PIB de 2006 da zona euro foi revisado em baixa, de 2,7% para 2,6%. A estimativa fica, apesar disso, acima do resultado de 2005, quando o PIB da zona do euro cresceu 1,4%.

Segundo a Eurostat, o crescimento do quarto trimestre foi estimulado pelo aumento de 3,7% das exportações do terceiro trimestre. Já as importações cresceram 1,9%. O resultado da balança comercial contribui com 0,8 ponto porcentual do PIB do quarto trimestre, de acordo com a Eurostat.

Já os gastos das famílias com consumo cresceram 0,6% no quarto trimestre, ante o trimestre anterior, contribuindo com 0,3 ponto porcentual do PIB trimestral, a mesma contribuição dos investimentos das empresas. Por outro lado, a diminuição nos estoques retirou 0,5 ponto porcentual do PIB, enquanto as despesas governamentais fizeram uma pequena contribuição positiva.

Para 2007, a Eurostat revisou para cima suas estimativas de crescimento do segundo trimestre, que foram da faixa entre 0,4% e 0,9% para a faixa entre 0,5% e 0,9%. A agência manteve inalteradas as estimativas de crescimento para o primeiro e terceiro trimestres: no primeiro trimestre, a projeção é de crescimento entre 0,4% e 0,8%; e no terceiro trimestre, a estimativa é de crescimento entre 0,3% e 0,9%.