O vice-chanceler da Coréia do Norte, Kim Kye-gwan, e o secretário-assistente de Estado dos Estados Unidos, Christopher Hill, se reuniram ontem à noite em Nova York para discutir o estabelecimento des relações diplomáticas entre os dois países, adversários desde a Guerra da Coréia (1950-53). Não foram divulgados imediatamente detalhes sobre as conversações, que prosseguirão hoje. ?Esta é apenas uma discussão inicial?, disse um porta-voz do Departamento de Estado. ?Deve levar algum tempo para que o processo seja completado. É uma questão de estabelecer confiança mútua.

O estabelecimento de relações está previsto no acordo alcançado em 13 de fevereiro em Pequim para a desnuclearização da Coréia do Norte – país comunista que o presidente americano, George W. Bush, incluiu há cinco anos no que chamou de ?eixo do mal?, ao lado de Irã e Iraque. No acordo, Pyongyang – que em outubro testou uma bomba atômica – aceitou adotar passos para desmantelar seu programa nuclear em troca de ajuda em combustível.

Durante o dia, Kim se reuniu com acadêmicos e com os ex-secretários de Estado Henry Kissinger e Madeleine Albright. Os participantes do encontro concordaram que a continuidade do diálogo pode ajudar a criar as bases para melhorar as relações oficiais. Em Hanói, negociadores do Japão e da Coréia do Norte discutirão amanhã e quinta-feira a possível normalização de relações bilaterais.