O governador do Paraná, Roberto Requião, defendeu que o Brasil adote uma postura inflexível de proteção à socio e biodiversidade na 8ª Conferências das Partes da Convenção sobre Diversidade Biológica (COP-8), aberta hoje em Curitiba. "Quando eu ouço falar em manejo florestal, em desenvolvimento sustentável, fico logo desconfiado. Há muitos abusos por trás de conceitos corretos", declarou em seu discurso. "Por isso temos que ser firmes nas nossas posições – ainda que isso seja visto como radical, temos que ceder muito pouco".

Requião lembrou que o Paraná possui hoje apenas 3% da sua cobertura vegetal nativa. "Somos 2% do território nacional, mas respondemos por 25% da produção de grãos. A agricultura, principalmente o sistema de plantation ( latifúndios de monocultura voltados à exportação ), tem sido o grande destruidor da nossa natureza".

O governador lamentou que a obrigatoriedade de identificar componentes transgênicos nas embalagens das mercadorias (o "contém") seja válida apenas a partir de 2012, segundo decisão da 3ª Reunião das Partes do Procolo de Cartagena (MOP-3), que terminou no dia 17 em Curitiba. "Mas quero anunciar aqui que na quarta-feira, às 11 horas, vou assinar a primeira regulamentação estadual do país que obriga a rotulagem de produtos transgênicos que circulem dentro do Paraná".

A COP-8 é o órgão deliberativo da Convenção sobre Diversidade Biológica (CDB), que foi um dos resultados da Rio-92. Ela tem três objetivos principais: conservação da natureza, uso sustentável dos recursos naturais e proteção dos conhecimentos tradicionais.

A conferência reúne os 187 países signatários da convenção, além da Comunidade Européia. Em Curitiba, até o próximo dia 31, 6 mil representantes desses países participam dos debates e das negociações. As decisões são tomadas apenas por consenso.