O governador Roberto Requião defendeu ontem, em Buenos Aires, a criação de uma moeda única para as trocas comerciais entre Brasil e Argentina, desvinculada do dólar e do euro, e que constituiria o embrião de uma moeda do Mercosul. A proposta foi feita durante a abertura de um seminário empresarial organizado pelo Paraná para ampliar o intercâmbio com a Argentina.

Requião fez um forte discurso pró-integração, afirmando que os destinos dos dois países é único. “Há uma necessidade de intensificar a aproximação de nossas economias e a melhor forma de fazer isso é com a integração regional”, afirmou o governador na abertura do seminário “Regionalizando a integração: as potencialidades do Estado do Paraná”.

O evento contou com a participação de aproximadamente 150 pessoas, incluindo empresários e autoridades, na Embaixada Brasileira em Buenos Aires. Entre os presentes, estavam o ministro da Produção da Província de Santa Fé, Cristian Desideri, o secretário da Produção da cidade de Rosario (Santa Fé), Eduardo Remolins, e o diretor-executivo da União Industrial da Província de Buenos Aires, Eduardo Estevez.

União

O governador Roberto Requião sustentou que Brasil e Argentina não podem participar do comércio global em condição de dependência. E, para que os países sustentem uma posição atuante no cenário internacional, eles precisam estar unidos. “Argentina e Brasil convivem hoje com problemas semelhantes, decorrentes do engano absoluto sobre os benefícios da globalização. Para que possamos superar essas dificuldades, o Mercosul precisa ir muito além de uma ligação entre Buenos Aires e São Paulo. É necessária uma ligação concreta entre estados e províncias”, defendeu.

O embaixador do Brasil na capital argentina, José Botafogo Gonçalves, elogiou a iniciativa do Paraná, de promover a missão empresarial e governamental. Segundo ele, é necessário que outros estados desenvolvam esse tipo de ação, não apenas os da região Sul, mas também os do Centro-Oeste. “O Paraná é um dos mais ricos, dinâmicos e equilibrados entre os estados brasileiros e, por isso, é um dos que detém melhores condições de aproximação”, disse Gonçalves.

A missão prossegue nos dias 4 e 5 com rodadas de negócios entre empresários paranaenses e argentinos.