O governador Roberto Requião autorizou, nesta quarta-feira (25), a construção de 7.070 moradias populares do programa Casa da Família em diversos municípios do Estado. Pelo programa, os municípios doarão as áreas onde serão construídas as casas, com a infra-estrutura necessária (arruamento e instalações de água e luz).

?Trata-se de uma medida importante para que possamos reduzir o déficit habitacional e, conseqüentemente, as desigualdades sociais que persistem no Estado?, afirma o presidente da Companhia de Habitação do Paraná (Cohapar), Luiz Claudio Romanelli.

Pesquisa realizada em 2000 pela Fundação João Pinheiro, de Minas Gerais, mostra que 95% do déficit habitacional brasileiro se concentram em famílias com renda de até três salários mínimos. ?Só no Paraná, temos um déficit de 169.224 moradias, sendo que 63% dessa demanda é formada por famílias com renda de até dois salários mínimos?, destaca Romanelli.

No Casa da Família, as moradias têm 40 metros quadrados, dois quartos, sala, cozinha, banheiro, varanda, são forradas, têm cobertura em telhas cerâmicas e infra-estrutura completa. O morador pode escolher entre cinco opções de projeto arquitetônico.

O método construtivo das moradias do Casa da Família é o de gestão comunitária ? premiado neste mês nacionalmente pela Associação Brasileira de Cohabs (ABC) com o Selo de Mérito ? no qual os mutuários formam uma associação, que é responsável por comprar o material e contratar a mão-de-obra. ?Esse sistema permite que o dinheiro investido em moradia permaneça na região beneficiada. Além disso, gera postos de trabalho nos municípios onde há maior desemprego?, completa.

A Cohapar trabalha em parceria com Governo Federal, através do Ministério das Cidades para a construção de moradias dignas para a população com renda de até dois salários mínimos, com prioridade para quem recebe até R$ 300 por mês.