Um exemplo gritante de que, mesmo com estrutura sofrível, os principais portos brasileiros cumprem seu papel está no fato de 95% dos US$ 96,4 bilhões exportados pelo Brasil no ano passado terem saído por nossos terminais de transporte marítimo. A constatação é do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea).

No exercício atual, a previsão de exportações é de US$ 108 bilhões, mas o principal entrave na vida dos empresários continua sendo a limitação da infra-estrutura de transportes. Com vistas a corrigir a situação, o governo criou a Agenda Portos com o objetivo de propor soluções para os onze principais portos em movimentação de carga, Paranaguá entre eles, que juntos respondem por 89% das exportações brasileiras.

Segundo cálculos da Agenda Portos, a expectativa para 2005 é investir até US$ 3 bilhões em obras de modernização do sistema portuário, visando a melhoria da produtividade do sistema. Um porto brasileiro embarca, em média, 40 contêineres por hora, ao passo que em Cingapura, na Ásia, a média horária é de 100 contêineres embarcados.

O elemento-chave, segundo o Ipea, é a questão dos custos portuários, no Brasil bem mais elevados que a média mundial. No porto mais eficiente do País o embarque de uma tonelada custa US$ 12, enquanto a média mundial é de US$ 7,02.

Somente com pesados investimentos em modernização o sistema portuário brasileiro chegará ao nível dos melhores do mundo.