Rio – O Brasil apresenta tendência de queda no consumo da maconha, a droga mais consumida no mundo entre 200 milhões de pessoas, na faixa de 15 a 64 anos, que usam entorpecentes pelo menos uma vez por ano. A preferência atinge também os 100 milhões que se drogam uma vez ao mês. A conclusão é do Relatório Mundial de Drogas 2006, elaborado anualmente pelo Escritório das Nações Unidas contra Drogas e Crime (Unodc) e divulgado hoje (26), no Centro de Informações da ONU, no Rio de Janeiro.

A coordenadora de Projetos de Drogas e HIV/Aids do Unodc para o Brasil e o Cone Sul, Cíntia Freitas, disse que a diminuição pode ser atribuída às campanhas governamentais contra o uso de entorpecentes e ao maior controle e à fiscalização da circulação do produto. De acordo com Cíntia, o Brasil aparece em sexto lugar em apreensões da droga, com 3% do total mundial. Em 2002, as autoridades brasileiras apreenderam 200 toneladas da droga e, em 2004, cerca de 155 toneladas.

Segundo dados de 2001, 1% da população brasileira entre 12 e 64 anos usa maconha anualmente. Pesquisas realizadas pelo governo em escolas indicam que houve diminuição do uso de usuários. Em 2004, o índice baixou para 6,4%, entre jovens de 10 a 18 anos, depois de uma trajetória crescente, iniciada em 1989, até atingir 7,6º em 1997.

Ao divulgar o relatório, Cíntia Freitas fez um alerta sobre o uso dessa substância, que vem crescendo em todo o mundo. "O Unodc está alertando que a cannabis está cada vez mais potente agora do que nas décadas anteriores. Há um erro, que o relatório aponta, em considerar a maconha e o haxixe drogas brandas, que causam menos danos. Há cada vez mais provas de que o uso pode causar sérios problemas mentais. Hoje, as características mais perigosas da cannabis não são mais tão diferentes quanto as de outras drogas que vêm das plantas, como cocaína e heroína", explicou.

A cannabis utilizada em erva, que é a maconha, ou em resina, quando se transforma em haxixe, foi consumida por cerca de 162 milhões de pessoas no mundo em 2004, o que representa mais da metade dos usuários de drogas por ano no mundo, e seu consumo continua a crescer.

O estudo revela que a produção mundial da maconha (cannabis em erva) passou de 42 mil para 45 mil toneladas, sendo que 54% vêm das Américas (35% da América do Norte e 18% da América do Sul). Já o haxixe tem sua maior produção no Norte da África, principalmente no Marrocos, e tem no Oeste da Europa o seu principal mercado.