O relatório sobre maus tratos na Fundação de Ação de Curitiba (FAS) que será entregue amanhã a Procuradoria Geral de Justiça concluiu que não há motivos para uma intervenção no órgão, de acordo com o promotor responsável pelo documento, Dicesar Augusto. No entanto, o inquérito policial sob responsabilidade da Delegacia de Homicídios que investiga a morte de um idoso, em setembro de 2002, ainda não foi concluído. Ainda não foram ouvidas testemunhas presenciais. (Leia mais na edição de amanhã do jornal O Estado do Paraná)