O relator do processo de cassação do deputado federal José Dirceu (PT-SP), Júlio Delgado (PSB-MG), comentou há pouco a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de conceder liminar em favor de Dirceu.

De acordo com Delgado, a liminar diz respeito ao pedido de cassação que ainda está na mesa diretora da Câmara e não vai interferir no processo que já tramita no Conselho de Ética e Decoro Parlamentar.

Júlio Delgado avalia que, ainda assim, é indevida a decisão do STF. Para ele, trata-se de uma ingerência de um poder em outro. "Isso faz com que a gente questione a independência dos poderes. A Câmara não pode permitir que o STF troque o T pelo P e se torne a Suprema Pizza Federal."

O presidente do Conselho de Ética, Ricardo Izar (PTB-SP), também disse que a decisão do STF seria uma "interferência" do poder Judiciário no Legislativo. "Essas liminares não tem efeito, por exemplo, no processo do deputado José Dirceu", reforça Izar. "Nos outros casos, as liminares retardam um processo por uma semana ou dez dias, o tempo que a Corregedoria recebe as defesas e encaminha o processo para o Conselho."