O ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos, e o relator da emenda que institui o Estatuto do Desarmamento, Luiz Eduardo Greenhalg (PT-SP), reuniram-se nesta quarta-feira com líderes da base governista na Câmara e decidiram rejeitar as principais sugestões dos secretários estaduais de segurança pública feitas hoje.

Segundo Thomaz Bastos e Greenhalg, no projeto deve permanecer o artigo que transfere das polícias estaduais para a Polícia Federal a atribuição de autorizar o porte de armas. O porte também continuará sendo crime inafiançável com pena de até doze anos.

Thomaz Bastos e Greenhalg só admitem conceder o porte para guardas penitenciários, que não foram incluídos no projeto original, e estabelecer medidas que abrandem a punição para quem for preso com armas de brinquedo. A idéia é evitar que a equiparação das penas, como está no texto aprovado no Senado, acabe estimulando o uso de arma de fogo, já que as penas são iguais. (Leia mais na edição de amanhã do jornal O Estado do Paraná)