O presidente nacional do Partido dos Trabalhadores (PT), José Genoino, divulgou hoje (30) nota oficial em que nega ter influência sobre negócios ou licitações em empresas estatais. "O PT rebate e repudia as acusações veiculadas nas referidas reportagens de que tenha influenciado negócios ou licitações em empresas estatais com empresas privadas. Tais inverdades, criminosas e irresponsáveis, além de buscar prejudicar deliberadamente o PT e o governo, só podem orientar-se por objetivos inconfessáveis", diz a nota.

O comunicado responde à matéria publicada pela revista Veja com suposta denúncia de fraude em licitação envolvendo o diretor de Tecnologia da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT), Eduardo Medeiros de Morais, que teria sido indicado pelo PT.

José Genoino diz, por meio da nota, que o PT nunca decidiu sobre nomeação de cargos públicos. "Na montagem de governos de coalizão, esses processos de negociação entre representantes de partidos, e destes com representantes de governo, são fatos normais em qualquer país, fazem parte do processo democrático e são inerentes a qualquer governo ou a quaisquer partidos".

Segundo a nota, o PT e os partidos aliados ocupam menos da metade dos cargos disponíveis para livre contratação, os chamados DAS. José Genoino afirma ainda que o PT apóia uma ampla investigação pela Polícia Federal e pelo Ministério Público sobre as denúncias envolvendo os funcionários dos Correios. "Em nenhum outro governo, a Polícia Federal foi tão ativa em desmantelamento de quadrilhas de corruptos e fraudadores que agiam há anos, diga-se, impunemente, em vários órgãos públicos".

Há duas semanas, uma gravação divulgada pela imprensa denunciava o suposto envolvimento de ex-funcionários da empresa e do presidente nacional do PTB, deputado Roberto Jefferson (RJ), em fraudes em licitação. Na semana passada o Congresso Nacional criou uma Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) para investigar o caso.