Representantes do PT descartaram hoje a possibilidade de o ministro da Fazenda, Antonio Palocci, que enfrenta novas denúncias nas últimas semanas, aparecer na lista de pré-candidatos do partido a governador de São Paulo.

Tanto dirigentes petistas quanto apoiadores dos pré-candidatos a governador de São Paulo Marta Suplicy (PT) e Aloizio Mercadante (PT) insistiram que não haveria tempo hábil para uma decisão nesse sentido e que até agora a discussão não foi sequer levantada dentro da legenda.

"Isso é extremamente difícil", disse o secretário-geral da sigla, deputado estadual Raul Pont (RS), destacando que não houve nenhuma conversa dentro da agremiação sobre o assunto e que o fato de terem vencido os prazos internos para o registros de candidatura dificulta ainda mais um cenário como esse.

"Não se trata apenas de os prazos terem vencido, mas também de a Marta e o Mercadante já estarem em campanha", afirmou. A possibilidade de Palocci disputar o governo de São Paulo foi posta ontem (20) pelo líder do PT na Câmara dos Deputados, Henrique Fontana (RS).

Na ocasião, Fontana disse que ele é "um quadro de grande envergadura" dentro do partido e caracterizou como "absolutamente normal" que o nome seja cogitado para a disputa estadual. Pont apontou que uma candidatura de Palocci só seria possível, caso ele manifestasse de fato essa vontade e a legenda chegasse a um consenso em torno do nome.

"Mas isso só se houvesse um grande consenso", insistiu. Além disso, o secretário-geral do PT comparou a disputa estadual na sigla com a situação atravessada pelo PSDB, que cogita lançar o nome do prefeito da capital paulista, José Serra, apesar de terem sido postas várias pré-candidaturas a de governador.

"Não é da nossa tradição buscar soluções desse tipo." O vereador Arselino Tatto (PT), que figura entre os articuladores da pré-candidatura de Marta no Estado, disse ter conversado ontem com ela e assegurou que a possibilidade de o ministro da Fazenda entrar na disputa não foi sequer levantada até o momento

"Não vejo nenhuma possibilidade de isso se alterar dentro do partido", disse, lembrando ainda que foram realizados diversos debates entre os pré-candidatos do PT a governador de São Paulo e que a competição entre eles atingiu um nível avançado demais para uma mudança.

O deputado estadual Renato Simões (PT-SP), que trabalha pela candidatura de Mercadante, acrescentou que a disputa estadual está consolidada e também insistiu que o vencimento de prazos internos ajuda a firmar esta situação.