O PSDB entrou sábado com duas ações na Corregedoria da Justiça Eleitoral, pedindo que seja suspensa a veiculação nas tevês da propaganda da Petrobras, por entender que as cenas exibidas favorecem a campanha à reeleição do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, além de resultar na prática de abuso do poder político e econômico. Na representação o partido alega que a propaganda eleitoral pró Lula fica evidente no anúncio de que o volume recorde de investimento na empresa ocorreu "nos três últimos anos".

"O que é uma referência óbvia a que foi feito no atual mandato presidencial", destaca o partido. O PSDB ainda afirma que a música, "com evidente conotação de louvação da ação governamental", quer, obviamente, significar a alegria do povo brasileiro com o governo federal e o presidente da República.

Os tucanos também apontam semelhança entre os populares e funcionários da Petrobras, que aparecem na propaganda batendo com a mão esquerda no lado direito do peito, com a que foi exibida nas inserções da propaganda gratuita do PT. O partido pede que o presidente Lula e a Petrobras sejam notificados sobre a representação e que o Ministério Público determine o valor das multas que ambos devem pagar, caso a ação seja aceita.

Já na investigação judicial contra a Petrobras, o PSDB acusa o presidente da empresa, Sérgio Gabrielli, de patrocinar propaganda política eleitoral, de forma subliminar, sem respeitar a prazo fixado pela Justiça Eleitoral, de que isso só pode ocorrer três meses antes do pleito. "Isso lamentavelmente ocorreu de forma despudorada…pois é evidente o engrandecimento o excessivo destaque à ação feita pelo governo e às metas alcançadas".