Mais de 70 mil ucranianos fizeram uma manifestação no centro de Kiev hoje para pressionar o presidente, Viktor Yushchenko, a dissolver o Parlamento e convocar novas eleições.

Os manifestantes criticavam as tentativas do principal rival político do presidente, o primeiro-ministro, Viktor Yanukovych, de expandir sua base de poder ao afastar parlamentares de facções pró-Yushcenko, uma ação que fortaleceu significativamente o controle de Yanukovych sobre a ex-república soviética.

Antes da manifestação, Yushchenko acusou Yanukovych de quebrar as promessas que ele fez como parte de um acordo de partilha de poder e de atrair parlamentares de blocos que dão apoio ao presidente. Yushcenko manifestou a preocupação de que Yanukovych possa fortalecer sua maioria parlamentar para 300 das 450 cadeiras da casa, o suficiente para derrubar vetos presidenciais e mudar a Constituição.

Yushchenko ameaçou dissolver o Conselho Superior (Verkhovna Rada) se a situação não mudar. "Se o trabalho da maioria não for renovado na base da Constituição, eu vou assinar o decreto para dissolver o Parlamento", disse Yushchenko numa conferência de delegados de seu partido, hoje pela manhã, recebendo os aplausos dos presentes.