O anúncio da intenção dos Ministérios da Saúde e da Educação de implantar máquinas de camisinhas em escolas públicas, a partir de 2008, abriu um debate entre pais, educadores e até mesmo políticos. O projeto, lançado neste mês, criou um concurso entre alunos dos Centros Federais de Educação Tecnológica (Cefets) para a construção de um protótipo de máquina que será utilizada no próximo ano nas escolas públicas de ensino médio de todo o País.

A previsão dos ministérios é que o projeto seja escolhido até dezembro. O prêmio: R$ 50 mil para a escola vencedora. A construção e a implantação das máquinas fazem parte do programa Saúde e Prevenção nas Escolas, do Ministério da Saúde. De acordo com o Censo Escolar 2005, 17% das escolas públicas de ensino médio estão cadastradas no programa e já recebem uma cota mensal de preservativos para serem distribuídos entre os alunos. Uma das metas do governo é que essa taxa de adesão ao programa suba para 35% das escolas ainda neste ano, mesmo sem a imediata instalação das máquinas de preservativos.

Hoje, cada estudante cadastrado recebe cerca de 30 preservativos por mês com a supervisão de professores e conselheiros. ?Algumas escolas ainda não têm um plano pedagógico sobre o assunto?, diz Ivo Brito, assessor técnico do programa de DST/Aids do Ministério da Saúde. Ele diz que os professores precisam ser capacitados para integrar o programa.

Para o senador e ex-ministro da Educação Cristovam Buarque (PDT-DF), o plano de implantar máquinas de camisinhas na rede pública é superficial e não toca na questão fundamental: a conscientização dos adolescentes. ?O problema não é a falta de dinheiro para a compra de preservativos, mas a falta de educação sexual.? O senador diz temer os efeitos que o contato direto de crianças e adolescentes com as máquinas poderia trazer. ?Temo que isso estimule a iniciação sexual precoce dessas crianças.