A maçã gaúcha será o ?carro abre-alas? em uma ação pioneira em âmbito nacional: a disponibilização ao consumidor, em espaço especialmente preparado nos supermercados, de frutas obtidas através de uma metodologia diferenciada de cultivo, o Sistema de Produção Integrada. O projeto-piloto, coordenado pela Embrapa Uva e Vinho, foi lançado esta semana, na sede da instituição de pesquisa, em Bento Gonçalves (RS).

O projeto funcionará em sua fase inicial através da comercialização de maçãs obtidas pela produção integrada em 16 lojas nos municípios de Bento Gonçalves, Caxias do Sul e Farroupilha da rede de supermercados Apolo/Cesa. As frutas serão vendidas em embalagem contendo duas bandejas e apresentarão o selo de identificação do sistema PIN (Produção Integrada).

Elas serão colocadas, nos supermercados, em espaço especialmente projetado, com gôndolas diferenciadas e com equipe de atendimento treinada. As maçãs comercializadas neste projeto-piloto serão fornecidas pela Rasip Agro Pastoril S/A, uma das empresas que utiliza o Sistema de Produção Integrada, sendo certificada pelo Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial (Inmetro).

No projeto-piloto para o qual a maçã foi eleita por ser a pioneira no País na adesão ao Sistema de Produção Integrada, a comercialização diferenciada de produtos com o selo PIN será ampliada, em uma fase posterior, com outros produtos agropecuários que estão usando esta estratégia de produção e também com a participação de outras redes supermercadistas e fornecedores. A intenção é de que isto seja feito ainda neste primeiro semestre.

A ação-piloto que visa estimular a comercialização diferenciada de maçãs obtidas através de produção integrada, que hoje atinge aproximadamente 240 mil toneladas, é uma iniciativa de Embrapa Uva e Vinho, Embrapa Clima Temperado, Serviço Brasileiro de Apoio às Micros e Pequenas Empresas no Rio Grande do Sul (Sebrae-RS), Inmetro e Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), com a parceria da empresa Rasip e rede Apolo/Cesa. O projeto tem recebido também os apoios da Associação Gaúcha de Produtores de Maçã e Pêra (Agapomi) e da Associação Brasileira de Produtores de Maçãs (ABPM).

A produção integrada

A produção agrícola através de um sistema que otimiza as técnicas de cultivo passando, por exemplo, pela redução no uso de agrotóxicos e, concomitantemente, proporciona ao consumidor um fruto de qualidade e, mais do que isso, segurança para o seu consumo. É esta, em síntese, a proposta da Produção Integrada de Frutas (PIF), uma inovação tecnológica e organizacional na fruticultura brasileira, cujas primeiras ações se iniciaram, no País, em 1996, com a cadeia produtiva da maçã.

Um intenso esforço de parceria entre instituições públicas e privadas resultou no desenvolvimento de um sistema que possibilita a produção de frutas com base tecnológica moderna e ambientalmente sustentável, com registro de atividades sujeitas a auditorias delegadas pelo Mapa ao Inmetro. O instituto credencia organismos de avaliação da conformidade (certificadoras), que auditam empresas produtoras quanto ao cumprimento da legislação que regula a PIF no Brasil. Assim, os marcos legais da PIF asseguram a rastreabilidade dos produtos e o controle externo, executados por uma instituição sem vínculos com o produtor.