O Programa Curitiba Exporta acaba de ganhar mais um reforço nas ações de disseminação da cultura exportadora para micro e pequenos empresários que atuam na cidade. O Programa que apóia, orienta e aperfeiçoa pequenos empreendedores interessados em ingressar no mercado internacional formalizou nesta quarta-feira, parcerias com a Faculdades Integradas Curitiba (FIC) e o Centro Integrado de Estudos Jurídicos Empresariais (CIEJE).

O convênio, assinado entre a Companhia de Desenvolvimento de Curitiba (CIC) e as duas instituições, tem o objetivo de ampliar as atividades do programa junto aos pequenos negócios. No setor de alvarás da Prefeitura há atualmente 110 mil empresas, destas, 30 mil com potencial para exportar, segundo números levantados pela CIC.

As parcerias, segundo Paulo Henrique Munhoz da Rocha, presidente da CIC, sugerem uma união de forças que no caso do processo exportador é muito importante para a consolidação dos negócios.

"A integração entre o poder público e as entidades organizadas e privadas são um forte estímulo na desburocratização das ações de exportação e principalmente na desmistificação do mercado, que é a grande barreira enfrentada pelos pequenos empreendedores que desejam comercializar para fora do país e não têm idéia de como agir", explicou Paulo durante a assinatura dos convênios.

Segundo ele a exportação é uma das principais ferramentas no desenvolvimento econômico das comunidades. "Estamos adotando o processo como conceito para acabar com a lenda de que só grandes empresas têm capacidade para exportar".

Paulo Henrique disse que o Programa Curitiba Exporta quer conscientizar pequenos e médios empreendedores de que eles também podem exportar, "na verdade é uma mudança cultural, e nós estamos conseguindo aos poucos alcançar o objetivo".

De acordo com a avaliação do presidente hoje os resultados são bem positivos. Em menos de dois anos cerca de 540 micro e pequenos empresários passaram pelos treinamentos e palestras do Curitiba Exporta, sendo que hoje oito empresas estão participando ativamente do mercado lá fora.

Ele falou que os "pequenos" que têm interesse e potencial para exportar, ainda esbarram na falta de conhecimentos, medo da burocracia e na falta de intimidade com o mercado internacional. "Apesar da criatividade do brasileiro, o mercado dos pequenos negócios exporta muito pouco. Um exemplo é o nosso rico artesanato, que poderia ser muito bem explorado lá fora. E é para romper esses paradigmas que recebemos com satisfação a integração da Faculdades Curitiba e do CIEJE aos nossos esforços", disse Paulo Henrique.

Durante a assinatura, o presidente do CIEJE, Benedicto Moreira, afirmou que a integração junto ao programa da Prefeitura mostra que Curitiba sai na frente com o incentivo à exportação. "Hoje nós sabemos que a economia depende das exportações, das divisas e da moeda estrangeira. A nossa parceria é um primeiro passo para facilitar este processo junto com o poder público". A instituição vai participar do Curitiba Exporta colocando a disposição palestrantes para abordar detalhes da parte jurídica nos processos de comercialização internacional.

A primeira ação prática da parceria com o CIEJE prevê a participação da advogada Letícia Cardoso como palestrante no 3º Módulo do curso de exportação para a regional Boqueirão, que acontece nos dias 25 e 26 deste mês. A palestra vai abordar questões jurídicas nos Contratos Internacionais, sobre como proceder, cuidados necessários e orientações.

Para o representante da Faculdades Integradas Curitiba, Edélcio Pedro Jacomassi, o incentivo à exportação não é uma iniciativa isolada, é uma ação que envolve toda a sociedade porque faz parte do desenvolvimento econômico.

"A parceria com a administração pública municipal é muito importante e só vai ajudar na disseminação do conceito. O comércio internacional pode ser muito bem explorado pelos nossos empresários, sejam eles de médio ou pequeno porte e somos nós, envolvidos que vamos ajudar a abrir este caminho", afirmou Jacomassi.

O Curitiba Exporta foi concebido em 2002, para disseminar a cultura exportadora entre as micro e pequenas empresas, com o objetivo de aumentar o número de empresários deste porte no mercado internacional.

O programa promove treinamentos com conteúdos que englobam palestras, consultas, clínicas e discussão de temas diluídos em três módulos para cada região da cidade, sendo realizado um por mês. Desde 2002 foram promovidos 16 cursos com 540 empreendedores participantes.

O último treinamento deste ano acontece nos próximos dias 25 e 26 de novembro, com o terceiro e último módulo para a regional do Boqueirão, encerrando as atividades de 2004.