A produção industrial cresceu em 12 dos 14 locais pesquisados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em maio, ante igual mês do ano passado. Com crescimento acima da média nacional (4,8% em maio em relação ao mesmo mês de 2005, conforme divulgou o IBGE na semana passada), destacam-se os resultados do Pará (17,9%), Goiás (9,3%), Minas Gerais (8,5%), São Paulo (6,7%), Bahia (6,6%), Espírito Santo (5,0%), Pernambuco (5,0%), Ceará (4,9%) e Nordeste (4,9%). Também com taxas positivas ficaram o Rio de Janeiro (4,3%), Santa Catarina (2,7%) e Paraná (0,9%). A produção industrial só recuou no Rio Grande do Sul (-1,9%) e Amazonas (-5,7%).

O destaque do levantamento foi a indústria de São Paulo que, após a baixa de 1,1% em abril, voltou a crescer em maio, com expansão de 6,7% na comparação com maio do ano passado. No acumulado de 2006, o aumento na produção no Estado foi de 4% e nos últimos 12 meses, de 3%

Em maio, 15 das 20 atividades pesquisadas contribuíram positivamente para a taxa geral em São Paulo, com os principais destaques vindo de veículos automotores (16,2%), alimentos (15 1%) e de máquinas para escritório e equipamentos de informática (55,9%). Já outros produtos químicos (-2,8%) e refino de petróleo e produção de álcool (-1,3%) foram os maiores impactos negativos

O acumulado no ano avançou 4,0%, com 13 ramos influenciando positivamente o resultado. As principais contribuições positivas vieram de veículos automotores (9,6%) e material eletrônico e equipamentos de comunicações (18,0%). As maiores influências negativas no acumulado do ano foram de produtos de metal (-5,7%) e têxtil (-2,0%)

Para a pesquisa regional da indústria não há dados comparativos a mês anterior