A produção industrial brasileira cresceu 2,1% em março, frente ao mês anterior, interrompendo uma seqüência de três resultados negativos neste tipo de comparação. Em relação a março de 2003, o crescimento da produção da indústria foi bem mais expressivo: 11,2% – nesse caso manteve uma seqüência de sete meses de taxa positiva – como mostra a Pesquisa Industrial Mensal divulgada hoje pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Das 23 atividades pesquisadas, 18 apresentaram resultados positivos na comparação com fevereiro. O destaque foi para o desempenho de máquinas e equipamentos (11,2%), alimentos (2,3%), material eletrônico e de comunicações (9,8%), veículos automotores (4,5%) e vestuário (4,4%).

Nos índices por categorias de uso, bens de capital (1,9%) e bens duráveis (0,6%) cresceram em março após registrarem queda em fevereiro. Bens intermediários, com taxa de 1,6%, sustenta trajetória ascendente há três meses consecutivos, acumulando um crescimento de 2,2%. Já o segmento de bens de consumo semiduráveis e não-duráveis (-0,5%) mantém a tendência negativa.

O primeiro trimestre de 2004 também mostrou resultado positivo em relação ao primeiro trimestre de 2003 (5,8%), mas ficou 1,2% abaixo do último trimestre de 2003.