A Procuradoria-Geral do Município alerta às pessoas que estão passando por execução fiscal (cobrança judicial), que procurem o município para regularizar débito referente ao Imposto Predial Territorial Urbano (IPTU), em dívida ativa. O atraso pode resultar na penhora do imóvel que, em caso extremo, irá a leilão.

A Procuradoria Fiscal da Prefeitura informa que 20 mil das 50 mil pessoas notificadas ainda não repactuaram a dívida. Por dia, são realizados de 300 a 400 atendimentos de dívidas de IPTU na Procuradoria do Município, que fica na rua Álvaro Ramos, 150, e na sede da prefeitura, na avenida Cândido de Abreu, 817, ambos no Centro Cívico, durante o horário comercial.

O procurador fiscal do município, Paulo Vinício Fortes Filho, afirma que a dívida pode ser regularizada e parcelada. Porém, o prazo de pagamento parcelado varia conforme o valor da dívida, podendo atingir até 90 meses. O valor mínimo de uma parcela é de R$ 50,00.

Fortes Filho alerta que, ao não negociar, o contribuinte terá que arcar também com as despesas decorrentes de uma ação judicial de penhora do bem. Quanto às pessoas que estão em atraso, mas que não foram notificadas, o procurador sugere aos devedores que busquem negociar a dívida. Para isto, basta acessar a página da prefeitura (www.curitiba.pr.gov.br) ou ir a uma Rua da Cidadania.

Serviço
Locais de pagamento:
Procuradoria-Geral do Município – Rua Álvaro Ramos, 150, Centro Cívico
Prefeitura de Curitiba – Avenida Cândido de Abreu, 817, Centro Cívico