O presidente da Câmara, deputado João Paulo Cunha (PT-SP), disse há pouco que o primeiro item dos trabalhos de hoje do plenário da Casa será a Reforma Tributária e que, se não houver condições de aprovar todo o projeto, será destacado o artigo que aumenta a transferência do Fundo de Participação dos Municípios (FPM) de atualmente 22,5% para 23 5%. Segundo João Paulo, isso significará R$ 1 bilhão a mais nos cofres municipais.

"É impossível que alguém esteja contra", afirmou. Com base nesse argumento, os deputados deverão atropelar o regimento interno da Câmara e votar os dois turnos em um mesmo dia, não respeitando as cinco sessões ordinárias de intervalo entre o primeiro e o segundo turnos. João Paulo disse que esse corte de prazo pode ser feito, se houver unanimidade na casa. "Não é atropelamento", argumentou.