Mangaratiba – O presidente Luiz Inácio Lula da Silva aproveitou o domingo de Carnaval para pescar corvinas e bagres na baía de Sepetiba, no litoral sul do Rio de Janeiro. Com o tempo nublado, ele passou boa parte da manhã numa lancha de 42 pés, acompanhado apenas pelo chefe da segurança do Planalto, coronel Gonçalves Dias. Uma embarcação da Marinha ficou estacionada durante todo tempo da pescaria na área, perto da lancha.

Uma outra embarcação de aviso da Capitania dos Portos interceptou uma lancha da imprensa que tentava se aproximar da restinga de Marambaia, a cerca de 90 quilômetros do centro do Rio de Janeiro, onde fica a base militar. As praias ao longo da estreita faixa de terra foram fechadas e lanchas particulares não puderam navegar num raio de um quilômetro.

A embarcação usada pelo presidente contava com suportes para varas de pesca, e não se afastou muito da praia. Sem camisa, o presidente vestia uma bermuda branca durante a pescaria. Lula costuma pescar no lago da residência oficial da Granja do Torto. É a primeira vez que ele usa a base de Marambaia para se isolar e descansar. No governo passado, o local foi bastante freqüentado pelo então presidente Fernando Henrique Cardoso. Em janeiro, Lula descansou três dias na base naval de Aratu, no litoral de Salvador.

Pela previsão de assessores, o presidente deve seguir amanhã (28) de helicóptero para a base de Santa Cruz. De lá, ele embarca para Brasília.

A presença do presidente na base militar de Marambaia não mudou a rotina dos moradores das ilhas e vilarejos da região. Alheios ao aparato em volta de Lula, foliões participaram no sábado de um cortejo de barcos com alegorias carnavalescas lembrando a Copa do Mundo de Futebol, num trecho de mar a uma distância de cinco minutos de lancha da base militar. Em Itacuruçá, moradores e turistas saíram às ruas pintados de preto, no tradicional Bloco do Carvão.