O presidente Luiz Inácio Lula da Silva instalou hoje, durante cerimônia no Palácio do Planalto, com a presença de ministros, cineastas, produtores de cinema, vídeo e televisão, o Conselho Superior do Cinema. Criado em 2001 para fortalecer a produção cinematográfica nacional e torná-la mais competitiva no mercado nacional e internacional, o conselho é integrado por 18 pessoas, sendo nove ministros, três representantes da sociedade civil e seis membros do segmento audiovisual brasileiro.

Presidido pelo ministro-chefe da Casa Civil, José Dirceu, o Conselho Superior do Cinema tem dois grandes desafios nos próximos anos, segundo o ministro da Cultura, Gilberto Gil. O principal deles será transformar a Agência Nacional do Cinema (Ancine) em Agência Nacional do Cinema e do Audiovisual (Ancinav). A diferença entre as duas é que a nova agência, que ficará subordinada ao Ministério da Cultura, irá trabalhar para regular as ações de diversas áreas, como cinema, televisão e todo o segmento audiovisual. A outra meta é criar a Lei Geral do Cinema e do Audiovisual, a fim de tornar mais abrangente e enxuta a legislação que dispõe sobre as produções.

Em discurso, o presidente Lula afirmou que é preciso quebrar o tabu de que os brasileiros não gostam dos filmes produzidos no país. Segundo ele, quando há qualidade as pessoas vão ao cinema, inclusive as pessoas mais pobres. “O que está provado é que o mesmo povo que gosta de carnaval, o mesmo povo que gosta de futebol, é um povo que, se tiver qualidade, gosta de cinema e não mede esforço para isso”, afirmou.