O presidente da Força Sindical, deputado Paulo Pereira da Silva, informou nesta terça-feira (3) que as centrais sindicais que se reuniram nesta terça-feira com o ministro da Fazenda, Guido Mantega, fecharam acordo preliminar para negociação de um projeto alternativo à emenda 3, vetada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Pelo acordo, o governo, "como gesto de boa vontade", vai "tirar o pé do acelerador" de fiscalizar e multar as empresas prestadoras de serviço.

Mantega também se comprometeu a pedir ao presidente do Congresso Renan Calheiros, para que não ponha em votação o veto do presidente. Neste período, serão formados dois grupos de trabalho para as negociações. O primeiro grupo será formado por representantes de trabalhadores, Ministério da Fazenda, da Previdência e do Trabalho. O outro grupo será formado por representantes dos empresários e dos três Ministérios.

Na próxima terça-feira, o ministro terá uma primeira reunião de negociação com as centrais. Em troca, as centrais sindicais, informou Paulinho, vão apresentar, em assembléias previstas para amanhã, a retirada do movimento de greve que estava sendo marcado para o dia 10 de abril.

Questionado se o secretário da Receita, Jorge Rachid, tinha concordado com a decisão de não fiscalizar as empresas, Paulinho respondeu que quem manda é o ministro. Rachid, segundo Paulinho, consentiu com a cabeça.