O presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Armando Monteiro, afirmou hoje, em nota, que a sua expectativa sobre a decisão do Copom era de que o corte fosse acima de um ponto porcentual. "Há espaço para um corte maior ainda. Eu reduziria em 1,5 ponto porcentual, mas o Banco Central vem se mostrando mais uma vez extremamente conservador", afirmou.

A nota da CNI informa que a indústria frustrou-se com a decisão do Copom de reduzir a taxa Selic em 0,75 ponto porcentual. Para a CNI, a queda do risco país, a redução das pressões inflacionárias e a tímida reação da atividade econômica seriam fatores que justificariam uma redução maior da taxa de juros.

"A atual situação da economia não justifica a manutenção de juros reais básicos tão elevados, acima de 11% ao ano", afirma a nota.