O Centro de Operações Policiais Especiais (Cope), da Polícia Civil, prendeu cinco pessoas acusadas de tráfico de drogas e associação para o tráfico. Elas teriam ligações com facções criminosas de São Paulo. Quatro homens e uma mulher foram detidos na sexta-feira (9), por meio de depoimentos, de pessoas presas pelo Cope nos meses de maio e junho.

Segundo o delegado Rodrigo Brown de Oliveira, os cinco detidos têm forte vínculo com Jefferson Frank Spagnuolo, 32 anos, preso por operar uma central telefônica clandestina, que vendia linhas para detentos e intermediava teleconferências entre presidiários de todo o país. Além da ligação com Spagnuolo, a polícia suspeita que haja relação do grupo com Marcelo Claudino da Cruz, 27 anos, integrante da quadrilha apontada como responsável pelas mortes de um servidor público e do filho de um agente penitenciário, além de um atentado frustrado com uma granada no bairro Jardim Social. ?Os depoimentos foram o ponto de partida para chegar nas prisões?, afirmou o delegado.

O primeiro a ser preso foi Esteves André Martins Goetten, 20 anos. Ele estava numa casa, no Alto Maracanã, em Colombo, Região Metropolitana de Curitiba, com Carlos Eduardo da Silva Ramos, 21. Na residência, foi encontrado um quilo de crack. Ramos já estava com 29 pedras de crack prontas para vender, segundo a polícia. ?Com as duas prisões, o próprio Goetten nos levou a uma casa no Abranches (em Curitiba), onde estaria hospedado um grupo que teria trazido grande quantidade de droga de São Paulo para ser distribuída no Paraná?, contou o delegado.

Para flagrar o grupo, os policiais passaram o dia vigiando a casa. Por volta das 20h de sexta-feira (09), três pessoas chegaram ao local e, logo depois, foram presas dentro da residência. Daiane Andressa da Silva Fagundes, natural de São Paulo, 19 anos, Anderson Richieri Nicolau, 29, e Ângelo Silva Júnior, 23, foram presos acusados de associação para o tráfico de drogas. Na casa, os policiais encontraram cerca de 30 pedras de crack prontas para a venda e uma bucha com, aproximadamente, 30 gramas de cocaína. ?É possível que eles tenham apresentado nome falso, o que não nos permitiu saber, ainda, se têm antecedentes criminais?, disse o delegado.

Com Carlos Ramos, os policiais apreenderam uma pistola calibre 765. Ele tem antecedentes criminais por roubo e porte ilegal de arma. André Goetten é foragido do Sistema Penitenciário do Paraná e tem antecedentes por porte ilegal de arma e tentativa de homicídio. ?Todos os detidos têm conexão com uma facção criminosa e todos têm relação com as quadrilhas que prendemos no último mês e também, agora, em junho?, disse o delegado.