Brasília – O preço da arroba do boi gordo aumentou 1,77% em fevereiro em comparação com o mês anterior. O presidente do Fórum Nacional Permanente da Pecuária de Corte da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), Antenor de Amorim Nogueira, afirma, entretanto, que, mesmo com a alta do preço, há prejuízos que o setor ainda não conseguiu recuperar.

?O setor produtivo de pecuária de corte ainda acumula perdas significativas. Os prejuízos acumulados desde 2005 ainda dão ao produtor uma perda de renda da ordem de 30%?, disse Nogueira. Ele ressaltou que grande parte dos prejuízos foi causada pela alta do dólar, que só começou a cair no final do ano passado.

Nogueira destacou a diminuição no número de bezerros para reposição. ?Para cada boi gordo que se vende sempre existiu dentro do mercado brasileiro uma reposição de bezerro para engorda na ordem de 2,5 ou 2,6 por boi gordo. Essa razão de troca está caindo: hoje, há 2,3 bezerros para cada boi gordo?, informou. Com essa queda, há um aumento no custo da produção porque, com a diminuição da produção de bezerros, há um aumento no preço do animal.

Ele também disse que houve um aumento no preço dos insumos em fevereiro. A maior alta foi dos antibióticos, que subiuram 5,49% em fevereiro em relação ao mês de janeiro.

Apesar da alta dos preços dos insumos e da diminuição do número de bezerros para reposição, Nogueira afirmou que os pecuaristas esperam vender ao mercado externo o equivalente a US$ 5 bilhões em carne bovina, o que representa um aumento de 30% em relação ao no passado.