Esperas intermináveis, incertezas e falta de informação. O drama vivido pelos passageiros da Varig é um exemplo do que virá se a empresa parar de operar. São poucas as empresas que estão aceitando passageiros com bilhete endossado pela Varig e, aquelas que aceitam têm poucos lugares disponíveis

A decisão de segunda-feira da Associação Internacional de Transporte Aéreo (Iata, na sigla em inglês) de expulsar a Varig do acordo de compensação de bilhetes entre companhias agravou a situação. Dentre as empresas internacionais, apenas algumas daquelas que são parceiras da Varig na rede Star Alliance, como TAP e Lufthansa, aceitaram passageiros da Varig ontem

As empresas brasileiras estão aceitando passageiros de vôos cancelados da Varig por conta de uma solicitação da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). No entanto, como é alta temporada e os vôos estão lotados, os passageiros estão enfrentando grande dificuldade para embarcar

O casal Marcos Roberto e Fabiana Campos, acompanhado de um filho de 5 anos e dois gêmeos de 4 meses, saiu às 8h30 de Curitiba com destino a Manaus, mas ficou preso na escala em São Paulo. Às 18 horas, eles continuavam no aeroporto sem saber como chegar ao destino

"Não temos a quem recorrer; os vôos estão lotados", disse a capoeirista Ana Beatriz Graça Duarte. "A Varig fala para reclamarmos na Anac (Agência Nacional de Aviação Civil), mas a gente chega lá e eles dizem que não podem fazer nada. Nos deram uma ficha de reclamação que não vale nada.

Os cancelamentos afetaram sobretudo os vôos internacionais. Não saiu nenhum vôo para os Estados Unidos e para a América Latina. Ontem, até as 20 horas, estavam previstos apenas um vôo para Londres (com atraso de duas horas) e outro Frankfurt. Para acomodar parte dos passageiros do vôo para Madri, o vôo para a Alemanha faria uma escala excepcional na Espanha