Durante a abertura do I Seminário Internacional de Gestão Ambiental Portuária, realizado na segunda-feira (08) em Paranaguá, o governador Roberto Requião disse que o porto é um espaço de resistência diante de uma política neoliberal baseada na privatização e no lucro imediato que avassalou o Brasil.

?Não podemos permitir que o porto vise apenas o lucro da devastação, que seja um porto do imediatismo, um porto privado. É um porto público, como pública são as autoridades portuárias norte-americanas e públicos são os portos japoneses, que dizem que seus segredos são as águas profundas e os portos e ferrovias públicos?, disse Requião.

De acordo com o governador, o Porto de Paranaguá se insere na comunidade, no município e no Brasil. ?É um porto que enxerga mais longe e que, a exemplo de tantos outros portos de países com desenvolvimento econômico bem sucedido, quer ser um porto público, não um ?porto empresa? para os outros, mas um ?porto empresa? para o Paraná, para Paranaguá e para o Brasil?, completou Requião.

O Seminário, que prossegue até o próximo dia 11, foi o primeiro realizado no Brasil e deverá gerar uma proposta de gestão ambiental para os portos brasileiros. A escolha do Porto de Paranaguá para sediar o evento se deve ao conceito estabelecido de aliar a expansão econômica com a proteção do meio ambiente. ?A preservação do meio ambiente é importantíssima porque se vincula a cidadania, a qualidade de vida e a garantia dos direitos?, ressaltou o governador.

Dirigentes de portos internacionais de grande movimento como Antuérpia, Havre, Barcelona, Leixões, Valparaíso e Montevidéu trocarão experiências com autoridades portuárias e técnicos em meio ambiente do Brasil sobre as medidas tomadas para conciliar o interesse de expansão das áreas dos portos com a preservação dos ecossistemas.

Referência

Entre os temas em debate estão o gerenciamento de resíduos sólidos, gestão e certificação ambiental portuária, ações de integração com a comunidade, tratamento de efluentes (água de lastro e esgotos) e ações de prevenção e plano de contingência para desastres ambientais.

?A Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina (Appa) possui atualmente um centro de excelência em gestão ambiental que atua na manutenção adequada para o desenvolvimento com responsabilidade?, declarou o superintendente da Appa, Eduardo Requião. Segundo ele, o porto tem um plano de controle ambiental e em 2004 criou o Grupo Setorial de Gestão Ambiental Mar e Terra que recebe, transporta e trata seus efluentes. Outro ponto citado foi a conquista pioneira do licenciamento para controle de pragas e zoonoses e ampliação dos terminais.

?Somos referência mundial na relação economia e meio ambiente. A comprovação desta preocupação virá com o licenciamento ambiental do Porto, o primeiro do país?, disse Eduardo. Segundo ele, novos investimentos serão feitos para garantir um porto público com qualidade de serviços. ?Nossa preocupação é que as ações sejam voltadas para a preservação do meio ambiente porque o meio ambiente não é entrave para o desenvolvimento, mas sim garantia para um desenvolvimento sustentável?, concluiu.

Sintonia

Para o secretário do Meio Ambiente e Recursos Hídricos, Luiz Eduardo Cheida, a Appa se baseou nos princípios da responsabilidade e da precaução para pautar este seminário. ?No próximo ano, o Paraná sediará o mais importante encontro de biodiversidade do mundo ? COP 8 e MOP – onde os mesmos princípios serão discutidos entre autoridades de 26 países. Este Seminário demonstra que o Governo está desenvolvendo um trabalho em sintonia com as preocupações mundiais na área ambiental?, afirmou Cheida.

Além de debates e palestras, no mesmo local do Seminário está sendo promovida uma feira de engenharia portuária. Empresas nacionais e internacionais estão expondo as mais modernas tecnologias nas áreas de prevenção e contenção de danos ambientais, coleta de resíduos de navios e dragagem.