Aos gritos de ?assassina?, a pequena multidão que se aglomerou nesta quarta-feira em frente à mansão do casal Richthofen na zona sul de São Paulo, para acompanhar a reconstituição do crime que chocou o Brasil  a morte dos pais encomendada pela própria filha  pediu o linchamento da estudante Suzane Richthofen, de 19 anos, que chegou ao local algemada.
O assassinato de Marísia e Manfred Von Richthofen ocorreu na noite de 31 de outubro. Os irmãos Daniel e Cristian Cravinhos, namorado de Suzane e o irmão deste, executaram o crime.
Marísia e Manfred foram mortos com golpes de barra de ferro por se oporem ao relacionamento entre Suzane e Daniel. Os irmãos-assassinos participaram da reconstituição.
Os corpos de Manfred e Marísia foram descobertos deitados na cama do quarto de casal. O engenheiro tinha uma toalha branca no rosto e Marísia estava com um saco plástico na cabeça.
A reconstituição poderá ser feita também em outros locais visitados por Suzane, Daniel e Cristian na noite do crime, incluindo motel.
A estudante usava a mesma roupa com a qual foi apresentada pela Polícia na sexta-feira, no dia em que confessou a participação no assassinato: calça e jaqueta jeans.
Andreas, de 15 anos, irmão de Suzane, também foi à casa dos pais para ajudar na reconstituição.
A universitária chorou, apesar de nos últimos dias ter demonstrado na cadeia um comportamento frio, que chocou até mesmo os policiais.
A reconstituição é feita separadamente com os acusados, que foram colocados em diferentes cômodos da casa.
A Polícia pretende esclarecer a participação de cada um dos acusados no crime, principalmente o papel de Suzane, que até agora confessou ter planejado tudo com Daniel e Cristian. (CNN)