Marcos Borges
Aliados da presidente não foram bem recebidos pela população local.

A visita da presidente Dilma Rousseff ao Ceará nesta segunda-feira, 27, começou sob um clima político ruim. Ao chegar a Maracanaú, na região metropolitana da capital cearense, para anunciar investimentos na implantação da linha leste do metrô, a presidente chegou a ser recebida sob aplausos.

Mas o mesmo tratamento não foi dispensado à prefeita de Fortaleza, Luizianne Lins (PT); e ao governador do Ceará, Cid Gomes (PSB), que foram recebidos sob clima de tensão. Maracanaú é governada pelo PR, de oposição à aliança PT-PSB.

Luizianne não tinha presença confirmada no evento. Quando chegou, recebeu vaias e até tentou discursar, mas o público não abriu espaço para que ela falasse. Sob forte chuva, a tensão foi maior em relação ao governador Cid Gomes (PSB), que foi recebido por uma plateia que gritava: “ditador, ditador”.

Além de estarem em “território inimigo” de uma prefeitura que não os apoia, Luizianne e Cid Gomes estão brigados. Há, inclusive, dúvidas sobre a possibilidade de manter a aliança PT-PSB na região para as eleições de outubro.

Dilma cumpre agenda na Ceará hoje. Além do anúncio de investimentos para o metrô e Fortaleza, a presidente deverá visitar as obras do trecho 5 do eixo de integração Castanhão-Pécem (CE), na área de saneamento.

A presidente também deve visitar o projeto Vila do Mar, em Fortaleza, com ações de urbanização da orla da capital cearense. No início da noite, Dilma deve viajar para Recife.