Reprodução/RPCTV
Julião foi flagrado no estádio na quarta-feira da semana passada. Veja a reportagem do Paraná TV exibida na época.

O vereador de Curitiba Julio Cesar Sobota (PSC), conhecido como “Julião da Caveira”, envolveu-se em mais uma polêmica nas redes sociais. Sobota perguntou ontem em sua conta da página do Facebook se alguém “tinha um atestado médico para emprestar” para poder ir ao jogo de amanhã, entre Atlético e Toledo, no Ecoestádio, em Curitiba.

Nesta manhã, a respeito da postagem anterior, Sobota questionou a importância do conteúdo da mensagem que ele publicou e ainda disse “quanto aos machão (sic) da internet, fala (sic) até papagaio fala, e se quiser é só tentar a sorte”.

Recentemente, o vereador faltou a primeira sessão do ano da Câmara de Curitiba. Sobota alegou que tinha ido ao médico, entretanto, ele foi flagrado pelas câmeras da RPCTV na partida entre Atlético e Roma. O político é presidente da torcida organizada “Os Fanáticos”.

O vereador e corregedor da Câmara Municipal de Curitiba, Roberto Hinça (PSD), disse que já está ciente do caso e que irá conversar com Sobota nesta tarde. “Vou averiguar o que aconteceu. Devo conversar com ele à tarde para ouvir o seu lado da história. Caso entenda que houve uma quebra de decoro parlamentar por conta das duas mensagens postadas na rede social, será minha obrigação levar o caso até a Comissão de Ética da Câmara”, explica.

Ainda segundo Hinça, se o caso for adiante, a Comissão pode puni-lo. “Vai depender da interpretação dos 10 vereadores que compõem o conselho. Pode ser que simplesmente não aconteça nada, que ele receba uma advertência verbal, ou uma advertência por escrito, suspensão temporária do mandato, que pode variar de 1 a 90 dias, ou ainda perder o mandato. Claro, após correr todos os trâmites necessários”, informa.

Hinça disse também que está reunindo as reportagens divulgadas na imprensa a respeito da polêmica envolvendo o vereador do PSC, inclusive com as postagens feitas por Sobota nas redes sociais, e que já iniciou os trabalhos na Corregedoria.

“Não existe um prazo determinado em regimento para a Corregedoria se manifestar, porém eu costumo finalizar os casos de investigação em um prazo máximo de 48 horas. Como eu pretendo ouví-lo no máximo até amanhã, com certeza ainda esta semana decidirei se encaminho o caso para o Conselho de Ética ou não”, afirmou.

O vereador Algaci Túlio (PMDB) lamenta o comportamento do colega de casa. “É uma pena ele ter agido assim, mas espero que isso se resolva da melhor forma possível”, diz.

O presidente da Comissão de Ética, vereador Francisco Garcez (PSDB), informa que o órgão não pode abrir um processo contra Sobota, porém, dará prosseguimento se o corregedor, ou outro vereador, ou ainda um cidadão, pedir a investigação da conduta. “Não cabe a nós abrir um processo, mas se o conselho for acionado, iremos sim verificar o caso”, garante.

A reportagem do Paraná Online tentou contato com o gabinete do vereador Julio Cesar Sobota para que ele pudesse comentar o caso. Porém, Sobota não foi encontrado.

PSC quer explicações

O presidente do diretório municipal do PSC, Antonio Borges dos Reis, disse que conversou com o vereador Julio Sobota a respeito do caso e que o mesmo foi convocado para comparecer no diretório municipal nesta quarta-feira, às 09:00, para prestar esclarecimentos na Comissão de Ética do partido.

“Falei com ele por telefone e vamos nos reunir. É importante ouvir o que ele tem a dizer, até porque não podemos fazer uma condenção prévia”, afirmou Antonio Borges.

A respeito da repercussão do caso, o presidente do PSC de Curitiba disse que lamenta o ocorrido. “Eu já fui vereador em Curitiba e o que posso dizer é que isso é lamentável”, concluiu Borges.