Foto: Valquir Aureliano

Marcelo Almeida continua secretário e ainda pretende anunciar algumas medidas para sua pasta.

O 1.º suplente do PMDB, Marcelo Almeida, não irá assumir a cadeira deixada por Reinhold Stephanes na Câmara dos Deputados. A vaga ficará em aberto durante os próximos dias. É que Marcelo Almeida pretende tomar posse como deputado federal apenas depois de sessenta dias.

Em consulta à Mesa da Câmara, Almeida foi informado que o regimento interno estabelece um prazo de trinta dias para tomar posse, prorrogáveis por mais trinta, antes que o segundo suplente seja convocado a assumir. O segundo suplente do PMDB é o ex-deputado federal André Zacharow.

Após a posse de Stephanes, ontem, no Ministério da Agricultura, Almeida divulgou nota informando que pretende deixar a secretaria somente em junho. Ele vai aproveitar o prazo para dar continuidade a um processo de reestruturação na pasta. Na próxima semana, Marcelo pretende anunciar algumas medidas, entre elas o recadastramento de fornecedores e algumas alterações no processo de licitações.

O Palácio Iguaçu não confirma, mas Marcelo Almeida estaria atendendo a um pedido do governador Roberto Requião (PMDB) ao esticar sua permanência no cargo. O governador teria solicitado a Almeida que verifique a situação dos contratos com as empresas vencedoras de licitações para obras no Estado, depois que o atual secretário reclamou que existe um excesso de aditivos contratuais por conta de erros nos editais de licitação.

Opções

O governador ainda não tem um nome para substituir Marcelo Almeida na secretaria de Obras. A nomeação de Marcelo já não foi fácil. Antes dele, o deputado federal Max Rosenmann (PMDB) recusou o convite para ser secretário e outros nomes sondados por Requião não demonstraram interesse.

Marcelo Almeida vai tentar indicar um integrante da sua equipe para sucedê-lo no cargo. Mas caberá a Requião decidir se aceita a sugestão. Nem mesmo um convite para Zacharow assumir a secretaria pode ser descartado, no momento, dizem alguns interlocutores do governador. Zacharow já teve seu nome cogitado para chefiar o escritório do governo do Paraná, em Brasília, no lugar de Nivaldo Kruger.

Com a saída de Marcelo Almeida, o governo terá duas vagas a preencher no primeiro escalão. Além da Secretaria de Obras, o governador ainda está pensando em um nome para ocupar a Procuradoria Geral do Estado, no lugar do procurador Sérgio Botto de Lacerda, que se demitiu há uma semana. Por enquanto, a secretária de Administração, Marta Lunardon, acumula a função.

Sem diferenças

Na nota divulgada ontem, Marcelo comemorou a posse de Stephanes, no Ministério da Agricultura. ?Vivemos um momento histórico na política paranaense e não podemos desperdiçar essa chance. Temos dois paranaenses no ministério: Paulo Bernardo, no Planejamento, e o Stephanes, na Agricultura. O Planejamento cuida do Orçamento da União e a Agricultura cuida da maior força da economia do nosso Estado. Existem muitas afinidades entre os programas do governo federal e o governo estadual?, comparou.

Quando assumir sua vaga na Câmara, Marcelo Almeida disse que pretende direcionar sua atuação para o meio ambiente, especialmente na área de coleta e tratamento de resíduos sólidos e dos recursos hídricos. E também vai se dedicar à área de trânsito, na qual se especializou quando exerceu a diretoria geral do Departamento de Trânsito do Paraná, durante todo o mandato anterior de Requião.