O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, disse hoje que acertou com a presidente Dilma Rousseff uma parceria para concluir o trecho norte das obras do Rodoanel. Segundo ele, parte do projeto tem um custo estimado de R$ 4 bilhões para os próximos quatro anos e deste total o governo federal arcará com R$ 1,3 bilhão. Para este ano já estão previstos R$ 371 milhões, no Orçamento Geral da União.

Na audiência, Alckmin disse que tratou, também, da construção de um novo aeroporto metropolitano em São Paulo, ideia que já vem sendo discutida há pelo menos cinco anos. Ele disse que a presidente concorda que é preciso uma integração de aeroportos, rodovias, hidrovias e ferrovias.

Alckmin avaliou que a urgência em São Paulo é a construção de um terceiro terminal de passageiros no Aeroporto Internacional de São Paulo, em Guarulhos, também conhecido como Cumbica, e um segundo terminal e uma segunda pista para o Aeroporto Viracopos, em Campinas. “Agora, não devemos pensar só amanhã. Há necessidade de se estudar um novo aeroporto metropolitano”, disse.

O governador considera que Cumbica e Viracopos, hoje, são “dois grandes gargalos” no setor aeroportuário. Ele disse que é favorável a investimentos de empresas privadas para construção de terminais nos aeroportos, sobretudo para os jogos da Copa do Mundo de 2014 e que está estudando medidas para fazer concessão à iniciativa privada de parte dos 31 aeroportos existentes no Estado. Entre eles os de Ribeirão Preto, São José do Rio Preto e Bauru.

Geraldo Alckmin disse que conversou também com a presidente, sobre novos empréstimos que São Paulo pretende fazer e que em maio apresentará um estudo para avaliar o aumento do endividamento do Estado. Ele informou que os dois trataram ainda do Trem de Alta Velocidade (trem-bala), que ligará São Paulo ao Rio de Janeiro. Alckmin disse que tanto ele quanto a presidente são favoráveis ao trem-bala que vai integrar os aeroportos de Viracopos e Cumbica, em São Paulo, ao do Galeão, no Rio.