A corte do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) liberou a coligação entre o PMDB e o PDT, suspensa na semana passada a pedido do diretório estadual do PMDB. O diretório municipal de Umuarama recorreu e a coligação foi restabelecida ontem, 18, a partir de um novo entendimento da Corte de que a decisão anterior deixou de considerar alguns argumentos apresentados pelo comando do diretório de Umuarama, informou o deputado federal Osmar Serraglio. O voto decisivo foi dado pelo desembargador Jesus Sarrão, vice-presidente e corregedor do TRE.

Entre eles, o fato de o diretório estadual ter proibido a aliança com base em resolução aprovada no dia 28 de abril. Serraglio, que defende a aliança com o PDT, destacou que o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) estabeleceu que as orientações sobre decisões de convenções partidárias deveriam ser publicadas até 8 de abril deste ano, ou seja, seis meses antes das eleições.

Outro motivo apontado por Serraglio foi que o diretório estadual pediu o fim da aliança para a disputa majoritária, mas não questionou a coligação para a eleição à Câmara de Vereadores, que também foi firmada com o PDT.

“A aliança agora está confirmada”, disse Serraglio, que citou também como um dos fatores para reformar a decisão anterior uma resolução da direção executiva nacional do PMDB, anulando o protocolo de intenções estabelecido pelo diretório estadual.

Na resolução do diretório estadual, os diretórios municipais eram orientados a dar preferência às coligações com os partidos listados como preferenciais, o PT, PCdoB e PV, nas cidades onde o PMDB não tivesse o candidato a prefeito.

O PDT está na lista dos adversários, no caso de Umuarama, onde a diretriz do diretório estadual era para que o PMDB apoiasse a candidatura do atual prefeito, Luiz Renato Ribeiro de Azevedo, candidato à reeleição pelo PT. O secretário geral do PMDB, João Arruda, confirmou que a direção estadual protocolará recurso ao TSE contra a nova decisão do TRE.