Foto: Arquivo/O Estado

Curió: prefeito e criador da cidade que leva o seu nome.

O prefeito de Curionópolis, Sebastião Curió (PFL), teve mandato cassado pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE) do Pará por suposta compra de votos na eleição de 2004. Na tarde de hoje, Curió entrará com recurso no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para anular a decisão dos desembargadores paraenses, que invalidaram também o registro do vice-prefeito da cidade, Antônio Cezar Nunes de Lima (PP). "Recorrei ao TSE por considerar as denúncias injustas", afirmou Curió.

Criador da cidade batizada com o próprio nome, Curió impediu ontem que garimpeiros de Serra Pelada fizessem manifestação na sede do município contra a decisão do TRE paraense. Ele também proibiu que aliados se manifestem, em respeito à decisão dos desembargadores. O prefeito está confiante na decisão do Tribunal Superior Eleitoral, que deverá julgar em até 15 dias o recurso. "Qualquer palavra de Curió é recebida como uma ordem pelos garimpeiros, mas ele só quer neste momento a posição do TSE", disse um aliado.

Na eleição de 2004, Curió derrotou João Chamon Neto (PSDB) por 4.246 votos (52%) contra 3.221 votos, confirmando previsões de pesquisas de intenção de voto realizadas meses antes. Depois da derrota, Chamon Neto apresentou denúncia no fórum de Curionópolis. A representação do tucano não acusa diretamente Curió pela compra de votos. Aliados do prefeito, como candidatos a vereadores, teriam distribuído dinheiro e cestas no dia da eleição. Uma testemunha do processo contou ter recebido R$ 10 e panfleto de campanha de um aliado do prefeito. A Polícia Federal considerou montagem uma fita onde pessoas aparecem fazendo acusações contra Curió.

Na defesa apresentada por advogados, o prefeito argumenta que, caso seja confirmada captação ilegal de votos, quem deve ser punido é quem procurou os eleitores para distribuir cestas ou material de campanha. Em Curionópolis, cidade com cerca de sete mil eleitores, o clima era de surpresa. Com o afastamento de Curió, o presidente da Câmara, Manoel Zacarias (PTB), assumiu o comando da prefeitura. O adversário de Curió e candidato derrotado a prefeito, João Chamon Neto (PSDB), promoveria na noite de ontem um churrasco para comemorar a decisão do TRE, que cassou por cinco votos a um o diploma do pefelista. Uma nova eleição no município poderá ser realizada em 90 dias.

Nos anos 1970, Curió participou de operações do Exército contra a guerrilha do PCdoB no Araguaia. Já no início dos anos 1980, na função de interventor plenipotenciário de Serra Pelada, ele organizou o garimpo, o maior a céu aberto que se tem notícia, e tornou-se mito entre os milhares de homens que participaram da corrida do ouro no sudeste do Pará. Curió, que foi deputado federal de 1984 a 1987, está no segundo mandato de prefeito.