O Tribunal de Contas da União deve iniciar até o final deste mês uma auditoria completa nas receitas e despesas da Secretaria de Estado de Trabalho e Promoção Social, para averiguar, principalmente, a aplicação correta dos recursos federais administrados pela secretaria.

 Uma denúncia anônima, com base em informações dos veículos de comunicação paranaense, motivou os auditores do TCU a auditar as contas da secretaria. Entre os objetos do levantamento estará a utilização dos recursos do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT), a suspeita de existência de funcionários fantasmas, a devolução de dinheiro por fora de empresas de alimentação, hotéis e transportes e as denúncias denvolvendo a empresa de terceirização de mão-de-obra Orbral, com um alto funcionário da pasta. De Brasília, a assessoria de imprensa do TCU informou que não há data marcada para o início dos trabalhos e que os auditores ainda estão em fase de levantamento das denúncias. Mais da metade dos recursos geridos pela secretaria de trabalho são oriundos dos cofres federais.

Também através de sua assessoria de imprensa, o secretário de Estado do Trabalho, Nelson Garcia, informou que não irá comentar a possível auditoria enquanto não for informado oficialmente sobre sua ocorrência. No entanto, adiantou que as irregularidades denunciadas na mídia local teriam sido cometidas antes de sua gestão e que todas as denúncias já foram respondidas na própria imprensa e estão sendo averiguadas e solucionadas.