O presidente do Tribunal de Justiça, Oto Sponholz, deve assumir o governo no próximo sábado (dia 7), quando o governador Roberto Requião (PMDB) embarca para o Canadá em viagem oficial de seis dias. Ontem, o presidente da Assembléia Legislativa, Hermas Brandão (PSDB), comunicou a Requião que não pode sucedê-lo no cargo. O filho de Brandão, Hermas Brandão Junior, é pré-candidato a prefeito de Fazenda Rio Grande, pelo PMDB e ficaria inelegível se o pai tomasse posse no governo, mesmo interinamente.

A posse de Sponholz depende ainda da definição do vice-governador Orlando Pessuti (PMDB). A irmã do vice-governador, Neusa Pessuti, é pré-candidata à prefeitura de Jardim Alegre. E conforme a legislação eleitoral, também ficaria impedida de concorrer se Pessuti substituísse Requião. O vice-governador, entretanto, tem dito que a candidatura da irmã ainda não está consolidada e que se ela não concorrer, assume o governo.

Na linha sucessória, depois do vice-governador, o cargo de governador deve ser assumido pelo presidente da Assembléia. Na impossibilidade de o presidente do Legislativo tomar posse, o cargo é transferido para o presidente do TJ.