A ausência mais notada no evento organizado pelo PSDB em prol do pacto federativo foi a do ex-governador de São Paulo José Serra, que disputa com o senador mineiro Aécio Neves a indicação como candidato tucano à Presidência. O não comparecimento do tucano foi cobrado.

Sem mencionar o nome de Serra, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso disse esperar que “essa pessoa citada” compareça aos próximos encontros. “Não temos mais que perguntar se o PSDB está unido ou não. O PSDB está unido.” Coube ao governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, justificar a ausência, alegando que Serra tinha outros compromissos.

No evento, o PSDB propôs um pacto federativo para celebrar os trinta anos de lançamento da “Declaração de Poços de Caldas”, primeiro ato público do Movimento das Diretas-Já. Naquela ocasião, os governadores Tancredo Neves (MG) e Franco Montoro (SP) assinaram documento público em favor da abertura democrática.

“Minas quer ver Aécio como presidente do Brasil”, disse o governador mineiro Antonio Anastasia (PSDB). Aécio disse que assumirá a candidatura “no momento certo”. “Eu cumprirei o meu papel, seja qual for ele.”

Prefeitos. Veículos oficiais de prefeituras mineiras, como Jesuânia, São Bento do Abade e Campestre, e paulistas, como Franca e Águas da Prata foram usados no deslocamento para o evento. O prefeito de Águas da Prata, Samuel Binati (PSDB), disse que não via problema. “É um evento político importante.” As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.