O Senado iniciou hoje a distribuição de tablets a cada um dos 81 senadores. Ao todo, no entanto, a operação envolve 110 aparelhos (sendo 29 repassados a assessores), adquiridos ao preço de R$ 188,98 mil da empresa Microsens. Cada aparelho, da marca Samsung, custou cerca de R$ 1,7 mil.

De acordo com a assessoria de imprensa da Casa, a compra foi feita por meio de pregão eletrônico, com base na ata de registro de preços da venda realizada ao Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE). Os primeiros portadores de tablets são os senadores da Mesa Diretora que participaram da reunião de hoje.

O primeiro-secretário, senador Cícero Lucena (PSDB-PB), informou que o uso dos aparelhos reduzirá o consumo de papel (de R$ 277,4 mil no ano passado, somente com a confecção de pautas para as 11 comissões permanentes da Casa).

“A ordem do dia (do plenário), as atas das comissões serão modernizadas, possibilitando aos senadores fazer o acompanhamento das matéria por meio dos tablets”, afirmou. “É um passo que a Casa está dando na busca de sua modernização”, argumentou. Ele disse que os tablets serão pagos em oito meses.