Ao menos 150 integrantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) protestaram na manhã de hoje em frente à prefeitura de Campinas contra a determinação judicial que os obrigou a deixar área da fazenda Monte d’Este, propriedade do grupo Tozan, ocupada do dia 13 de abril até ontem. A manifestação foi pacífica e não houve nenhum tipo de confronto.

Os sem-terra fizeram marcha do bairro Cura d’Ars, onde passaram a madrugada em uma área cedida pela Pastoral da Terra, até o centro da cidade do interior paulista. Segundo informou o integrante do MST Célio Romualdo, os sem-terra ficarão em um galpão na Rodovia Dom Pedro I, cedido por simpatizantes do movimento, até conseguirem resposta sobre possíveis áreas para alojar as famílias de Campinas, Limeira, Hortolândia, Sumaré e Americana que participam do protesto.

“A marcha e o protesto tiveram dois objetivos: pressionar a prefeitura para assinar a licença ambiental da área da fazenda Monte d’Este tida como improdutiva e saber da prefeitura qual seria uma solução emergencial para as famílias que, depois de serem despejadas da fazenda, não têm onde ficar”, disse Romualdo. “Não fomos recebidos nem pelo prefeito (Hélio de Oliveira Santos, do PDT) nem por nenhum representante. Não houve um mínimo interesse no diálogo”, afirmou. A prefeitura informou, por meio de assessoria, que não vai se manifestar sobre o assunto.