Em convenção do Partido Progressista (PP), realizada nesta quinta-feira (4), no Palácio Garibaldi, a deputada estadual Maria Victoria confirmou sua candidatura nas eleições para a prefeitura de Curitiba. Mesmo depois do anúncio oficial, a jovem deputada estadual não confirmou quem será o vice em sua chapa. Um dos cotados é Luciano Pizzatto, que desistiu da corrida à prefeitura pelo PRTB, e esteve no evento, declarando seu apoio à pepista.

Durante a coletiva antes da convenção, a candidata tentou fortalecer seus laços com Curitiba – já que é nascida em Maringá – e também destacou o fato de estar ligada à vida pública desde criança. Sobre suas intenções como prefeita, Maria Victoria não pretende descartar os planos já criados para a cidade. “Em quatro anos não dá tempo de começar do zero. Tempos que aceitar o que já foi implantado na cidade inovando e melhorando”.

Com toda a base aliada presente, Maria Victoria contou com os discursos dos pais para ganhar força. Seu pai, o ministro da Saúde, Ricardo Barros, destacou a experiência da jovem de 24 anos e também lembrou das eleições em que foi eleito prefeito de Maringá, em 1989, “Victoria já nem começa por último na pesquisa eleitoral. Está melhor que eu quando fui prefeito de Maringá. Nas pesquisas eu era o último com 1%”, disse o político, que aproveitou para alavancar a futura candidatura da mulher, a vice-governadora Cida Borghetti, ao governo do Paraná em 2018.

Maria Victoria também destacou a importância dos seus pais na sua campanha política. “É um orgulho ser filha dos dois e eu tenho certeza que isso só tem a colaborar devido a trajetória política e honesta deles”, disse a deputada estadual, também lembrando de suas raízes curitibanas. “Na verdade a família toda do da minha mãe é da capital. E ela só saiu de Curitiba para casa com meu pai, que estava concorrendo à prefeitura de Maringá”.