O presidente da Assembleia Legislativa, deputado Valdir Rossoni (PSDB), prestou depoimento ao delegado Rogério Martin de Castro, do 3º Distrito da Polícia Civil de Curitiba, que investiga as ameaças que vem recebendo por meio de cartas deixadas na sua caixa de correspondência. Foram cinco cartas endereçadas ao tucano, que suspeita do envolvimento de ex-servidores da Casa no caso.

À Polícia foram entregues, no dia 26 de julho, cinco cartas que foram deixadas na caixa de correspondência da Presidência da Assembleia. O conteúdo alarmou o chefe do Gabinete Militar do Legislativo, tenente-coronel Dias, que resolveu levar à casa. Rossoni acha que as medidas adotadas desde que assumiu a presidência da Assembleia, em fevereiro, geraram descontentamento entre pessoas que perderam privilégios.

Rossoni disse que, após as cartas, passou a andar constantemente escoltado por seguranças. “Eu que gostava de andar por aí sozinho agora estou acompanhado”, afirmou Rossoni. “Diante de uma série de irregularidades contatadas, tomei as decisões que precisavam ser tomadas, o que não agradou muita gente”, acrescentou o presidente da Assembleia. No mês passado, um carro que transportava assessores de Rossoni foi alvejado por tiros em uma estrada no interior do Estado. O episódio ainda não foi esclarecido pela Polícia.