Se Gleisi Hoffmann (PT) tem os ministros Paulo Bernardo e Dilma Rousseff e Carlos Moreira (PMDB) tem o governador Roberto Requião, ontem foi a vez do candidato à Prefeitura de Curitiba Fábio Camargo (PTB) exibir seu cabo-eleitoral celebridade.

Está em Curitiba desde a noite de quinta-feira, quando ajudou Fábio no debate da TV Bandeirantes, o presidente nacional do PTB, ex-deputado federal Roberto Jefferson.

Depois de ser o assistente de Camargo no debate, Jefferson passou o dia de ontem em compromissos de campanha ao lado do único candidato próprio do PTB a prefeituras de capitais do sul e sudeste do país. Compromissos que seguem hoje, com café-da-manhã na Boca Maldita.

“O Fábio é a aposta do PTB nestas eleições municipais. Teve a coragem de enfrentar a onda natural para expor as idéias do partido. Seria mais fácil compor, como fizeram outras legendas, aceitando cargos, secretarias, mas teríamos perdido a oportunidade de defender o PTB”, comentou.

Fábio Camargo comentou a importância da presença do presidente do partido em sua campanha. “Ele deixou de ir ao debate em São Paulo, onde temos o vice do Alckmin, para mostrar que realmente acredita na nossa candidatura”, disse.

Camargo promete trazer outros figurões do partido para os próximos debates. “Estamos tentando o senador Romeu Tuma para o debate do dia 28 de agosto e, se chegarmos ao segundo turno, podemos trazer o Collor (Fernando)”, disse.

Questionado sobre se a presença de Jefferson, cassado em 2005 por envolvimento com o esquema do “mensalão” não seria uma influência negativa para sua campanha, Camargo discordou.

“O eleitor não vai associá-lo apenas ao deputado cassado, mas ao homem que teve coragem de abrir mão de um mandato para acabar com o maior esquema de corrupção do Brasil. O povo sabe disso”, declarou.

Jefferson também comentou essa situação: “Entrei nisso (“mensalão”) muito mal, mas saí muito bem. Lutei sabendo que ia ser cassado, mas para defender minha honra pessoal. Mandato se recupera, honra não”, declarou o ex-deputado.

Com os direitos políticos cassados até 2015, Jefferson diz que ainda voltará a disputar uma eleição para o Congresso Nacional, mas até lá, diz que está gostando do papel de cabo eleitoral. “Libertado das obrigações de plenário, minha performance é mais livre. Estou viajando o país para ajudar nossos candidatos”, disse.

O presidente nacional do PTB analisou o quadro eleitoral de Curitiba, elogiou a capacidade dos candidatos e disse que Beto Richa (PSDB) não é imbatível. “Ele foi humilde ao ir ao debate. Com a aprovação dele nas pesquisas, podia ficar em casa e acabava com o debate, mas ele não fez isso. Mas não há unanimidade, seus índices tendem a cair. Ele é bom, mas não exagera”, comentou.