O governador Roberto Requião (PMDB) decidiu que o secretário da Casa Civil, Caito Quintana, permanece no cargo, como deseja, e mantém o convite ao conselheiro Rafael Iatauro para integrar o primeiro escalão do governo, mas ainda não definiu em que posição. Quintana e o governador tiveram uma conversa definitiva ontem à tarde, antes de Requião embarcar para a Argentina, onde participa da inauguração de estrada entre os dois países, em Andresito, na divisa com Capanema.

Fontes do governo disseram que, desta forma, Requião põe um ponto final no impasse sobre o destino de Quintana e quanto a Iatauro, o governador considerou que ainda há tempo para definir como aproveitá-lo no seu grupo de colaboradores. O conselheiro pode se aposentar no início do próximo ano, mas antes disso, Requião pretende achar um lugar para ele no governo e escolher outro nome para indicar ao Tribunal de Contas.

Ontem, por meio de sua assessoria, Quintana avisou que irá comentar o episódio de sua quase renúncia à Casa Civil e ao mandato de deputado estadual na próxima terça-feira, dia 31. Conforme informações do líder do governo, Dobrandino da Silva, o secretário também teria se justificado junto a Iatauro, com quem havia se comprometido a fazer a troca da Casa Civil pela cadeira de conselheiro.

Condicionantes

Requião não se opôs à permanência de Quintana na Casa Civil, mas conforme fontes do Palácio Iguaçu, o governador fez algumas cobranças ao velho amigo. Quer que Quintana se dedique mais à articulação política do governo, fragilizada há algum tempo. Problemas pessoais misturados a projetos políticos individuais são apontados pelos deputados estaduais como causa do desleixo do chefe da Casa Civil na coordenação política.

Boa parte dos deputados via na mudança de Quintana para o Tribunal de Contas uma forma de revitalizar a atuação política da Casa Civil. Com a permanência do secretário, a cobrança por mais dinanismo nessa área foi feita pelo próprio governador, que também havia manifestado desagrado com a atuação de um dos seus mais próximos colaboradores. Rafael Iatauro, que chegou a conceder entrevista como futuro chefe da Casa Civil, almoçou ontem com o presidente da Assembléia Legislativa, Hermas Brandão (PSDB). Brandão negou que os dois discutiram o assunto da nomeação abortada de Iatauro.

O conselheiro do Tribunal de Contas assegurou a Brandão que pretende concorrer a deputado federal nas eleições do próximo ano. E que neste caso, o cancelamento de sua ida para a Casa Civil não chegava a prejudicar seus projetos. Mas alguns peemedebistas garantem que o conselheiro do TC já sinalizou que aceita outro posto no governo, que poderia ser a Secretaria de Desenvolvimento Urbano.