O governador Roberto Requião (PMDB) voltou a criticar o governo federal. Desta vez, ele elegeu o governo Lula como o alvo da Escola de Governo de ontem. Tudo por conta da divulgação de declarações do ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, de que o Paraná era o estado mais atrasados na execução das obras do Plano de Aceleração do Crescimento (PAC).

A “escolinha” de ontem foi dedicada às apresentações dos dados do Estado sobre o andamento das obras do PAC. Requião, o presidente da Companhia de Habitação do Paraná (Cohapar), Rafael Greca, e da Sanepar, Stênio Jacob, apresentaram os balanços das obras para confrontar a informação do governo federal.

Mesmo informando que, após reclamações do Estado, o governo federal já reconheceu o erro, admitido pelo ministro das Cidades, Márcio Fortes, Requião reclamou.

“Estes erros são muito desagradáveis. Um erro é proclamado pela grande mídia, e as desculpas, num telefonema. Não vale nada”, disse o governador, declarando que “houve ligeireza em se prestar tais declarações”, fazendo relação com o momento político do Estado, na tentativa de aproximação do PT de Bernardo ou PDT de Osmar Dias, adversário de Requião em 2006. Rafael Greca apresentou os dados das obras do PAC, que estão sendo realizadas em quatro municípios da região de Curitiba, “todos dentro do cronograma”.