A vereadora Renata Bueno (PPS) protocolou, nesta quarta-feira, pedido de afastamento provisório do presidente da Câmara Municipal de Curitiba, João Cláudio Derosso (PSDB) por conta do escândalo com os gastos de publicidade e a contratação da agência da mulher de Derosso pela Casa. Renata pede, também, a instalação de uma comissão processante para apurar as denúncias contra o vereador.

Renata considera que a Comissão Processante “é a condição mínima para avançar as explicações sobre o acontecimento, pois tem o objetivo de julgar especificamente o fato de uma infração político administrativa”, que, segundo a vereadora, teria sido cometida pela presidência da Câmara ao se permitir a participação na licitação de uma servidor em exercício na Casa, a Claudia Queiroz.  

Já o afastamento temporário de Derosso é solicitado para a garantia do bom andamento dos trabalhos da comissão processante. A vereadora pede que Derosso se desligue da presidência da Câmara por 90 dias, “até que sejam encerrados os trabalhos da comissão processante”.

O pedido foi entregue ao 1º vice-presidente, vereador Sabino Picolo (DEM). Caso seja recusada, a vereadora impetrará um mandado de segurança. 

Para a vereadora, a instalação de processo na comissão de ética e a aprovação de seis pedidos de informação (as únicas manifestações de iniciativa dos vereadores até hoje sobre o caso) são insuficientes para a profunda investigação dos indícios de irregularidade. “Sei que o caso já está no Ministério Público e no Tribunal de Contas. Mas foi uma irregularidade administrativa cometida pela Câmara e os vereadores não podem deixar de investigar. Entendo que a comissão processante é o melhor instrumento legal para isso”, disse.

Renata reforçou que ao pedir o afastamento de Derosso não está fazendo nenhum pré-julgamento, “mas é a Mesa que coordena o trabalho da comissão. Assim, o afastamento dele da presidência é fundamental para que essa comissão, de fato, funcione”, disse.

No ano passado, Renata Bueno ensaiou a formação de uma chapa de oposição à Derosso na eleição para a presidência da Câmara, defendendo a renovação da Mesa Executiva da Casa, para tentar evitar que a sexta eleição seguida do atual presidente. Para ela, a “perpetuação” de uma pessoa no poder facilita a ocorrência de vícios, abusos e irregularidades. “Curitiba é uma cidade modelo em tantos assuntos, com uma população tão exigente, mas acomodada com essa ditadura semelhante a que o Anibal Curi implantou na Assembleia. Agora, temos um fato real, que nos possibilita puxar esse fio do novelo e desatar muitas outras coisas”, comentou.

Enquanto Renata Bueno tenta implantar a comissão processante, o processo contra Derosso no Conselho de Ética da Câmara vai claudicando. A reunião marcada para a tarde desta quarta-feira, para iniciar as diligências, foi cancelada por conta de um almoço dos vereadores com o presidente da Assembleia Legislativa, Valdir Rossoni (PSDB).