enkontra.com
Fechar busca

Política

Rafael Greca se filia ao PMDB na segunda-feira

  • Por Elizabete Castro
Rafael Greca: esforço por candidatura própria.

O deputado estadual Rafael Greca se filia na próxima segunda-feira ao PMDB, no plenarinho da Assembléia Legislativa. O ex-prefeito de Curitiba e ex-adversário do PMDB, que se transformou em aliado no segundo turno da campanha eleitoral do ano passado para o governo, leva para o partido do governador Roberto Requião o projeto de ser candidato à Prefeitura de Curitiba em 2004.

“Não é uma obsessão. Não quer dizer que o candidato tenha que ser eu. Mas já conversei com o Gustavo (o deputado federal Gustavo Fruet, presidente estadual do partido e pré-candidato à Prefeitura) e nós nos entendemos. Vamos fazer um esforço para que tenhamos candidatura própria”, disse.

O anúncio de Greca levou a bancada estadual do PMDB a se reunir ontem pela manhã para avaliar o seu ingresso no partido. Um dos amigos mais chegados do ex-governador Jaime Lerner (PFL) durante muitos anos, Greca sempre esteve na oposição ao PMDB. Sua aproximação a Requião gerou certo desconforto nos chamados “históricos” do partido. Os deputados, porém, resolveram não criar caso com a filiação.

A bancada avaliou que apesar da falta de afinidade ideológica, Greca pode ser importante para a base de apoio do governador. “Se for olhar a história, sua entrada é inconveniente. Mas, do ponto de vista dos interesses do governo, é oportuna. É uma pessoa preparada e tem condições de ajudar o governo. Decidimos não criar dificuldades ou constrangimentos”, afirmou o deputado estadual Nereu Moura. Entretanto, os deputados pretendem aproveitar o encontro estadual do partido em Matinhos, amanhã, para conversar com Requião sobre o caso.

Passado

Greca disse que sua participação no grupo de Lerner “pertence ao passado” e que não vai relembrar essa convivência. Ele afirmou que não tem ressentimentos em relação a seus ex-companheiros e que sua filiação ao PMDB é o símbolo de sua aliança com Requião. “É uma forma de eu pedir perdão a Curitiba pela eleição do Cássio Taniguchi e uma forma de sublinhar minha admiração pela política moralizadora do Requião e os avanços que está trazendo ao Paraná”, justificou.

O deputado iniciou sua carreira política no antigo PDS, em 1982. Em 1983, filiou-se ao PDT, onde ficou até 1987, quando acompanhou Lerner e Taniguchi para o PFL. Deixou o PFL há cerca de um mês, com duas derrotas. No ano passado, não conseguiu evitar a aliança com Beto Richa (PSDB) e teve seu projeto de disputar o governo rejeitado pelo partido. Este ano, Greca viu o PFL abrir espaço para o seu inimigo Cássio Taniguchi conduzir, a seu modo, a sua sucessão no próximo ano.

Greca preferiu se filiar sozinho ao PMDB na próxima segunda-feira, quando poderia ingressar amanhã junto com os deputados José Maria Ferreira e Vanderlei Iensen, que deixaram o PDT. “Quero qualificar a vocação curitibana da minha filiação. Não sou um litorâneo”, justificou.

Diretório municipal resiste à filiação

O presidente da executiva municipal do PMDB, Doático Santos, não recebeu ainda a comunicação oficial do pedido de filiação do deputado estadual Rafael Greca (PFL). Doático afirmou que considera “atropelado” o processo de filiação de Greca e defende que o partido “amadureça” a discussão sobre esta adesão. “Acho que está havendo uma certa sofreguidão no caso. Não localizei a origem do processo que está trazendo o Greca para o partido. Entendo que o PMDB está vocacionado para o crescimento, mas acho que neste caso tem que se conversar mais”, afirmou.

Doático tem motivos suficientes para não festejar a entrada de Greca no partido. O presidente da executiva municipal do PMDB responsabiliza Greca pelas dez horas que passou no presídio do Ahú e no hospital penitenciário. Greca era prefeito de Curitiba e moveu ação contra o peemedebista, acusando-o de ofensas na campanha eleitoral de 92 e de participar da ocupação da Ferrovila.

“Digerir uma coisa dessas de uma hora para outra não é bem assim. Acho que temos que conversar e estabelecer quais as coisas que mudaram neste tempo todo”, afirmou. O dirigente peemedebista disse que não quer atrapalhar a ampliação da base de apoio do governador Roberto Requião na Assembléia Legislativa, mas considera muito profundas as “fissuras” de Greca com o partido para que a filiação seja simplesmente anunciada, sem maiores debates.

A reportagem de O Estado não conseguiu localizar o presidente estadual do partido, deputado federal Gustavo Fruet.

Siga a Tribuna do Paraná
e acompanhe mais novidades

Deixe um comentário

avatar
300

Seja o Primeiro a Comentar!


wpDiscuz

Últimas Notícias

Mais comentadas