Sandro Nascimento/Assembleia Legislativa
“Quem é que vai correr o risco?”, provocou Pugliesi, afirmando que o alerta é apenas “uma tranca na porta”.

O presidente do PMDB do Paraná, deputado Waldyr Pugliesi, alertou nesta quarta-feira, 3, que irá solicitar judicialmente o mandato de todos os filiados que trocarem a sigla por outros partidos.

O assédio de tucanos e principalmente do novo partido, PSD, sobre prefeitos, vereadores e deputados estaduais peemedebistas, levou a bancada a assinar uma nota apoiando as ações da direção em defesa da fidelidade partidária que começa a ser quebrada principalmente depois que o PMDB deixou o governo, no início desse ano.

Mesmo os deputados estaduais que estão sendo convidados para ingressar no PSD, Reinhold Stephanes Junior, Cleiton Quielse e Jonas Guimarães, assinaram o documento. Stephanes Junior disse que a regra que prevê a perda do mandato para quem mudar de partido não se aplica às transferências para o PSD. “O Tribunal Superior Eleitoral já disse que no caso do PSD, os novos filiados têm um mês após o registro para solicitar a transferência sem risco de perder o mandato”, afirmou o deputado, que ainda não decidiu se irá deixar o PMDB.

Mas o presidente do PMDB afirmou que as regras da fidelidade partidária também podem alcançar as migrações para o PSC. “Existem dúvidas a respeito porque a troca do partido contraria a vontade do eleitor expressa nas urnas. Quem é que vai correr o risco?”, provocou Pugliesi, afirmando que o alerta é apenas “uma tranca na porta”.

Pugliesi disse que aqueles que quiserem mudar de partido estão liberados para sair do PMDB. Mas desde que abram mão dos mandatos. “A lei diz que os mandatos pertencem aos partidos”, afirmou.

Além da ameaça de perda de mandato, o presidente do partido também deixou claro que haverá intervenção nos diretórios municipais sob influência dos filiados que mudarem de partido. “Vamos dissolver os diretórios que estejam sob o comando de trânsfugas partidários”, disse Pugliesi.