Em encontro com médicos na capital paulista, a presidente eleita, Dilma Rousseff, garantiu hoje que o próximo ministro da Saúde terá perfil técnico, conforme disseram vários presentes ao almoço oferecido pelo cardiologista Roberto Kalil Filho, na residência dele, nos Jardins. Dilma ressaltou aos 26 médicos reunidos que a pasta da Saúde não é um cargo para ser usado de maneira política. Tal sinalização foi confirmada entre outros, pelos médicos do Hospital Sírio Libanês Raul Cutait e Guilherme Almeida, além do presidente do Instituto do Coração de São Paulo (Incor-SP), Noedir Stolf.

O anfitrião do encontro, Roberto Kalil Filho, é médico de Dilma e um dos nomes cotados para o Ministério da Saúde. Segundo a titular da Secretaria de Direitos da Pessoa com Deficiência de São Paulo, Linamara Batisttella, todos os presentes gostariam que Kalil fosse o indicado para o cargo. Durante o almoço, no qual foram servidos camarão à provençal, bacalhau à Bela Cintra, cordeiro e sericaia – um doce português, como sobremesa – estiveram em discussão propostas para a área da saúde na futura administração federal. De acordo com os presentes, as discussões se pautaram principalmente nas áreas de financiamento e gestão em Saúde. Também estavam entre os convidados o presidente da Agência Nacional de Saúde, Maurício Ceschin, o médico cancerologista Drauzio Varella, o presidente da Associação Médica Brasileira (AMB), José Luiz Gomes do Amaral, e o presidente do Conselho Federal de Medicina, Roberto Luiz d’Ávila.

Ao lado do deputado federal Antonio Palocci (PT/SP), um dos coordenadores da equipe de transição, Dilma deixou a residência de Roberto Kalil Filho sem falar à imprensa. Os médicos que conversaram com jornalistas à porta do edifício disseram que o evento foi bastante informal e que Dilma cumpria a promessa feita ao anfitrião de que conversaria com a classe médica, caso fosse eleita à Presidência da República.